• CoronaKids

Margarida, 12 anos e Duarte, 16 anos

Duarte — Margarida, sentes saudades de alguém em especial?

Margarida — De alguém mesmo, não. E tu?

Duarte — Sim, da Teresa. Vou falar contigo, mas não comentes com os pais. Não gosto destas conversas com eles, nunca as tivemos.

Margarida — Mas quais conversas?

Duarte — De paixões, e coisas assim. Eu gosto da Teresa. Estávamos a começar a curtir.

Margarida — Mas são namorados?

Duarte — Não, nada disso. Quer dizer, eu gostava, mas não. Desde que a vi que gosto dela, não sei. Sempre gostei, sim. E agora, mesmo antes disto acontecer, estávamos a começar a falar mais.

Margarida — Mas beijaram-se?

Duarte — Não, já te disse que não temos nada. Nem sei se ela sabe mesmo que eu gosto dela. Temos só conversado por WhatsApp, e muito pouco...

Margarida — Mas do que falam por WhatsApp, então?

Duarte — Nada de especial. De coisas da escola que se passaram. Raramente falo com ela, por isso é que esta situação é chata. Estávamos a começar a aproximarmo-nos, e agora tchau, cada um para seu lado.

Margarida — Pensas muito nela?

Duarte — Sim, sempre. É estranho.

Margarida — Achas que ela pensa em ti?

Duarte — Não sei, mas acho que não. Por isso queria estar com ela, tenho a certeza que acontecia alguma coia.

Margarida — O quê?

Duarte — Não percebes?

Margarida — Não percebo o quê?

Duarte — Podíamos ficar mais juntos, não sei.

Margarida — Namorar?

Duarte — Sim, mas só vês as coisas assim; namorar, não namorar; beijar, não beijar.

Margarida — E como é que tu vês?

Duarte — Não sei, sinto a falta dela... Agora só queria estar com ela, falar com ela ao pé de mim.

Margarida — Estás mesmo apaixonado.

Duarte — Estou, sim. Acho que sim.

Margarida — Muito apaixonado...

Duarte — Pronto, o que interessa isso, se muito ou pouco. Agora nem posso estar com ela. É isso que eu quero, estar com ela.

Margarida — Mas não vais conseguir estar agora com ela... tu não sabes se ela também gosta de ti?

Duarte — Não, não sei. Isso é que me custa agora. Parece que quero muito uma coisa, que não consigo alcançar, que está distante...